Desejando o Destino

Novo seminário com Gurusangat Kaur Khalsa. Inscrições Abertas 

O sonho de todos é saber qual seu destino e como alcançá-lo nesta vida. Existe uma tecnologia no Kundalini Yoga que permite isso de modo tangível e seguro. Segundo Yogi Bhajan, existe um mantra que é o DNA da energia do Kundalini e saber usá-lo nos possibilita andar no traçado do nosso destino e recriá-lo a todo momento. Vamos estudar e aprender todas as técnicas para utilizá-lo com o objetivo de obter uma mente refinada, maturidade emocional, aumentar e expandir a intuição e experimentar a unidade de nossa psique com a frequência do Infinito.

Abaky_Kundalini

Data: 19/12, quinta
Hora: 19h30
Local: ABAKY (Rua Ivon Magalhães Pinto, 511 – São Bento)
Valores: R$ 80
R$ 70 (associado ABAKY)

Mais informações: ABAKY
Rua Ivon Magalhães Pinto, 511 – São Bento
31 3297-5508
secretaria@abaky.org.br

gsk3

com S.S. GURUSANGAT KAUR KHALSA

* Doutora em Epidemiologia pela Universidade de Berlim, Alemanha
* Lead Trainer da Aquarian Teacher Trainer Academy
* Membro do Conselho Diretor do Sikh Dharma International
* Professora aposentada pela UFMG

 

Luz total

Por Guru Sangat Kaur Khalsa

Jai as-o chandaa ogaveh sooraj chareh hazaar
Aitai chaanan hodiaa, gur bin ghor andhaar (Guru Nanak, SGG, p. 463)

Se centenas de luas despontassem e milhares de sois aparecessem,
Mesmo com tamanha luz, haveria escuridão total sem a presença do Guru.

O professor é essencial porque ele é uma força motriz para o amadurecimento espiritual. O professor não é uma instituição que recolhe dinheiro dos outros e ensina truques espertos e atalhos sinuosos. O professor não é aquele que informa e entretém. Tão pouco é um intelectual, cheio de vícios, mal-arrumado, desengonçado e sem cuidados consigo mesmo. Alguns imaginam o professor como um clone que recita ensinamentos fundamentais e que pode passá-los aos outros.

Muitos se enganam e muito se engana sobre o professor.

O professor não é uma pessoa que ensina, tão pouco é alguém que sabe os ensinamentos. O professor é alguém que, ao viver os ensinamentos, nos ajuda a estabelecer objetivos e plataformas assim como a organizar nossas gunas, nossa matéria fundamental, para que possamos alcançar nosso destino. Sozinho a jornada torna-se longa e dolorosa porque a mente imatura se inebria com paixões e se joga, impulsivamente, atrás de prazeres fáceis e expande a dúvida quanto ao desconhecido.

O jogo das emoções cria traumas e dramas que confundem e dificultam a realização existencial. Muitos passam pela vida sem sequer notar a mediocridade de suas condições, outros percebem tudo em lampejos, mas logo se vestem de desculpas para acalmar suas mentes inseguras e frustradas, evitando encarar a realidade.

Mas há aqueles que encontram ajuda nas palavras e nos exemplos de mestres singulares, o que resulta numa libertação verdadeira.  Nestes momentos, a mente, ainda que por alguns instantes apenas, se devassa com o amor do professor e se expande rompendo as barreiras habituais de segurança e conforto, alcançando uma nova condição em um novo território.

Ser professor é um sacrifício e também uma glória. Deus usa da língua e do coração de um professor para incidir a luz sobre a realidade, delineando seu contorno, seu sulco, sua profundeza e qualidade. É glorioso contemplar alguém que você serve tornar-se uma pessoa requintada e diferenciada, que busca qualidade na diversão, nos amigos, no amor. É maravilhoso ver o universo desaguar riquezas e bênçãos sobre esta pessoa. O sacrifício deste ofício reside no fato de se ter que conviver com a ignorância e, conseqüentemente, a dor daqueles que sucumbem ao escárnio da mente polarizada, que ascendeu ao intelecto, mas não à inteligência, e se afastou do espírito por medo daquele nada. Esta pessoa perde a elegância e a excelência, se contenta com o comum – gosto pobre, prazer pobre, relacionamentos pobres, e torna-se refém do hedonismo, ora divertida ora superficial e, muitas vezes, mesquinha.

O professor não é um super-herói, super-humano. Ele é um ser que guarda em si virtudes e fraquezas e corre o mesmo risco de qualquer outra pessoa. Porém, sua mente neutra é automática, garantindo o controle de seus impulsos. A expansão da sua consciência o ajuda a usar a força de suas emoções para inspirar e elevar. O professor precisa estar vigilante, pois o risco da mediocridade é grande demais para ser menosprezado. A força da imbecilidade só não é maior do que a força da consciência.

Um professor de verdade te sacode e te desperta através de olhares, de conversas, de intenções, de preces, de confronto, de dureza, de demandas, de sorrisos, de amor. O professor é luz total!

O professor te ampara para que você experimente tudo que quiser precisar, te abre para conhecer a si próprio, te auxilia no reconhecimento de suas fronteiras, e esta lá ao seu lado para te inspirar a estendê-las ainda mais. Ele é um Ser Humano que alcançou a maestria em medir a distância entre você e o seu destino.

Professores são sofisticados, eles não se satisfazem facilmente. Ele te serve do melhor e espera ver na sua face o brilho de quem prosperou e, no seu coração, o conforto de quem encontrou segurança.

Sua oração é que você siga uma vida digna e seja generoso. Ninguém prospera sem dignidade e generosidade. Ele também reza para que você evite a todo custo o lugar comum, pois nele reside o que há de mais mortífero para a criatividade humana.

Seu alerta é: o desafio da sua boa vida está em diferenciá-la da vida boa de muitos. Viva bem, cuide bem de quem te buscar em dor e confusão e seja feliz sendo você!

Wahe Guru, Sat Nam.

* Texto escrito em 26 de junho de 2004

ABAKY apoia campanha da Fundação de Educação Artística

Sat Nam!

O propósito da campanha “Transforme seu Imposto de Renda em Música”, da Fundação de Educação Artística, é levantar recursos para a manutenção, em 2014, do Programa de Bolsas de Estudo de Música da FEA para jovens talentosos e sem recursos.

Com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, Lei Rouanet, é possível tanto para a pessoa física quanto jurídica aplicar parte do seu Imposto de Renda em projetos culturais da Fundação de Educação Artística, instituição sem fins lucrativos que há 50 anos valoriza a arte e a cultura. A doação é feita diretamente para a conta do projeto aprovado na Lei Rouanet. E você escolhe a maneira que achar mais fácil: depósito identificado, DOC ou TED.

Você pode fazer a doação desde já e até o dia 30 de dezembro de 2013. Acesse http://www.feabh.org.br e saiba mais.

Nanak Nam Chardi Kala Tere Bhane Sarbat Da Bala

Wahe Guru Ji Ka Khalsa, Wahe Guru Ji Ka Fateh

Sat Nam Wahe Guru!

FEA-EmailMarketing2

Hukam de novembro

Wahe Guru Ji Ka Khalsa
Wahe Guru Ji Ki Fateh

Nosso Hukam, do último Gurdwara, já está disponível no aúdio a seguir. Para escutar novamente, para quem esteve presente, ou para escutar pela primeira vez, para quem não pode se reunir em sangat no último dia 24.

Caso a caixa de aúdio não apareça abaixo, clique aqui

Sat Nam Wahe Guru

Crise? Me dá uma para viver!

por SS Gurusangat Kaur Khalsa

Nós do Kundalini Yoga apreciamos crises. E nós não reagimos à crise, porque não queremos criar uma crise ainda maior dentro de nós. Se há uma crise lá fora, aqui dentro é preciso que tudo esteja preparado, harmonizado e firme para enfrentar a batalha. Se a vida está de cabeça para baixo, eu preciso estar de cabeça para cima para corrigir o curso do meu movimento.

Nós enfrentamos uma crise com um senso diference de propósito e sentido. A melhor metáfora para explicar e dar vida a este conceito é a do Guerreiro Espiritual. O Guerreiro Espiritual vive sua história espiritual, que é aquela de um ser humano que age com bondade quando e onde nenhuma bondade é sequer merecida, esperada ou mesmo possível. Esta história de vida é tecida com atitudes de destemor, dignidade, presença e intuição.

Ao contrário disto, existem milhares de pessoas, aliás a maioria, que se tornam vítimas destas crises e carregam suas cicatrizes abertas, fazendo da jornada de suas vidas um percurso difícil e pesado. A dor que sentem em suas mentes tem consequências graves. Esta dor causa uma separação que é ainda mais insuportável, que é o afastamento delas de seus próprios espíritos.

As atitudes destes seres humanos são marcadas por um jogo de interesse que busca garantir segurança. Por isso, suas atitudes são pautadas pela ansiedade de ter que alcançar; pelo medo de ficarem sós ou abandonados; pela agressão ou fuga como defesa. Estas pessoas se sentem abusadas e querem que o outro, ou melhor, o mundo, lhe pague o que lhe foi retirado.

Esta trajetória é cheia de ilusão e frustração, o que resulta na criação de uma identidade irreal para lidar com a vida. De tanto a utilizar, ela se torna real, e elas envelhecem de forma amarga ou sem graça, não deixam legado algum de esperança para o mundo.

Para não cair nesta armadilha, a primeira lição do Guerreiro Espiritual é vencer a batalha de sua mente, em particular de suas intrigas e jogos, de modo treina-la para que ela sirva à sua consciência e não à rede de traumas registrada em seu subconsciente.

O Guerreiro Espiritual utiliza de sentimentos como coragem, bondade, compromisso, humor, curiosidade, gratidão, entusiasmo e amor por sua causa para viver e deixar viver.

Um aprendizado fundamental na vida desta pessoa é entender como sacrificar os limites auto-impostos, e se entregar aos desafios como se eles fosse uma delicatessem! É assim que suas identidades se fortalecem, e suas ações tornam-se cheias de vastidão e inteligência.

Eles alcançam uma clareza e discernimento que os habilita a se lembrar sempre das palavras do Professor:

“não existe nada que se possa obter sem doar. Equilíbrio é a realidade. É preciso se sacrificar para alcançar algo nobre. Cada vitória tem um preço. Cada derrota tem uma dor. Por isso, não deixe que seu ego atue desnecessariamente. O melhor é aceitar a Vontade de Deus,  e entender que a Vontade de Deus é o melhor para todos, não necessariamente para você em particular. Se você sacrifica sua vontade pela Vontade de Deus, você apenas estará desejando o melhor para todos – este é o caminho para superar crises” (Yogi Bhajan)

O Guerreiro Espiritual aprende dia apos dia a superar seus medos er desejo de controle, e principalmente , dissolver suas resistências às dinâmicas das polaridades e contradições que constituem a natureza própria da existência humana.

É por isso que se diz que a presença de tal pessoa cura e faz brotar a esperança no futuro!

Wahe Guru, Sat Nam.

SS Gurusangat Kaur Khalsa

Belo Horizonte,  20 de novembro de  2013.

Nós do Kundalini Yoga apreciamos crises. E nós não reagimos à crise, porque não queremos criar uma crise ainda maior dentro de nós. Se há uma crise lá fora, aqui dentro é preciso que tudo esteja preparado, harmonizado e firme para enfrentar a batalha. Se a vida está de cabeça para baixo, eu preciso estar de cabeça para cima para corrigir o curso do meu movimento.

Nós enfrentamos uma crise com um senso diference de propósito e sentido. A melhor metáfora para explicar e dar vida a este conceito é a do Guerreiro Espiritual.

O Guerreiro Espiritual vive sua história espiritual que é aquela de um ser humano que age com bondade onde nenhuma bondade é sequer merecida, esperada ou mesmo possível. Esta história de vida é tecida com atitudes de destemor, dignidade, presença e intuição.

Ao contrário disto, existem milhares de pessoas, aliás a maioria, que se tornam vítimas destas crises, e carregam suas cicatrizes abertas fazendo da jornada de suas vidas um percurso difícil e pesado. A dor que sentem em suas mentes tem consequências graves. Esta dor causa uma separação que é ainda mais insuportável, que é o afastamento delas de seus próprios espíritos.

As atitudes destes seres humanos são marcadas por um jogo de interesse que busca garantir segurança. Por isso suas atitudes são pautadas pela ansiedade de ter que alcançar; pelo medo de ficarem sós ou abandonados; pela agressão ou fuga como defesa. Estas pessoas se sentem abusadas e querem que  o outro, ou melhor, o mundo, lhes paguem o que lhes foi retirado. Esta trajetória é cheia de ilusão e frustração, o que resulta na criação de uma identidade irreal para lidar com a vida. De tanto a utilizarem, ela se torna real, e elas envelhecem de forma amarga ou sem graça, não deixando legado algum de esperança para o mundo.

Para não cair nesta armadilha, a primeira lição do Guerreiro Espiritual é vencer a batalha de sua mente, em particular de suas intrigas e seus jogos, de modo treiná-la, para que ela sirva à sua consciência e não à rede de traumas registrada em seu subconsciente.

O Guerreiro Espiritual utiliza de sentimentos como coragem, bondade, compromisso, humor, curiosidade, gratidão, entusiasmo e amor por sua causa para viver e deixar viver.

Um aprendizado fundamental na vida desta pessoa é entender como sacrificar os limites auto-impostos, e se entregar aos desafios como se eles fosse uma delicatessen! É assim que suas identidades se fortalecem, e suas ações tornam-se cheias de vastidão e inteligência.

Eles alcançam uma clareza e um discernimento que os habilitam a se lembrar sempre das palavras do Professor:

“Não existe nada que se possa obter sem doar. Equilíbrio é a realidade. É preciso se sacrificar para alcançar algo nobre. Cada vitória tem um preço. Cada derrota tem uma dor. Por isso, não deixe que seu ego atue desnecessariamente. O melhor é aceitar a Vontade de Deus e entender que a Vontade de Deus é o melhor para todos, não necessariamente para você em particular. Se você sacrifica sua vontade pela Vontade de Deus, você apenas estará desejando o melhor para todos – este é o caminho para superar crises” (Yogi Bhajan).

O Guerreiro Espiritual aprende dia após dia a superar seus medos e o desejo de controle e, principalmente, dissolver suas resistências às dinâmicas das polaridades e contradições que constituem a natureza própria da existência humana.

É por isso que se diz que a presença de tal pessoa cura e faz brotar a esperança no futuro!

Wahe Guru, Sat Nam.

Belo Horizonte,  20 de novembro de  2013.

Oh, doutor, muito obrigado

por SS Gurusangat Kaur Khalsa

“Você é a projeção de Deus. Você é o patanter do anter. Porque você ainda não entendeu seu anter, você se enlouquece. Você precisa também entender o seu banter.

Você sabe o que é banter? Você como você é. Você conhece suas especificações de fábrica? Se você conhece suas especificações, você então conhece o seu janter. Janter significa a forma na qual você foi concebido – o processo, a tecnologia. Se você conhece seu janter, então meu querido, você precisa saber sobre seu tanter. Você precisa saber de sua envergadura, sua lateralidade, seu nó – a fibra que te conecta. Isto é tanter. União. Yoga.

Se você sabe o que te conecta, então você precisa saber sobre seu anter, que é sua essência. Quando você souber sobre seu anter, você precisará saber sobre seu manter, aquilo que te mantem seguindo. Sua direção. E então você conhecerá sua projeção, patenter.

O que você quer dizer com ‘eu sou um médico’?

‘Ó, obrigado doutor, muito obrigado’. O que te aconteceu como ser humano?

‘Não, eu não sou um ser humano. Eu sou um doutor’.

‘Eu sou um ator’. Então, quem é o reator?

Você é um ser humano! Seja apenas um ser humano! Quando você estiver reagindo, naquele momento seja um ator. Mas, por todo o tempo, permaneça um ser humano, ó estúpido, nunca se esqueça disto! Por quê? Porque, esta é sua essência, isto é o seu anter. Seu anter, seu manter, seu patanter.

Você é basicamente um ser humano. Permaneça assim! Ó criatura, nunca se esqueça que você é a criatura. Porque, porquanto você permanecer Criatura, o Criador permanecerá a sua volta. Esta é a lei. Isto é patanter.

(Yogi Bhajan em Laws of Life, p. 2,3, KRI Publishing, Santa Cruz, USA)

Wahe Guru, Sat Nam.

Belo Horizonte, 9 de outubro de 2013.