Próton? Como assim?

por SS Gurusangat Kaur Khalsa

Você já ouviu falar do próton? O próton é uma parte minúscula do átomo, bem modesta mesmo. Se você pega o pingo deste i, nele haverá, no mínimo, 500 bilhões de prótons.

Imagine agora encolher um próton, que já é um nada, um bilhão de vezes… Dá para imaginar este tamaninho?

Pois foi de um nada assim que o universo foi criado. Deste nada, literalmente, o universo começou a ser criado e, na medida em que se expandia, numa velocidade que me escapa compreensão, ia criando o tempo e o espaço e tudo que conhecemos ou imaginamos que possa existir dentro do tempo e do espaço.

No primeiro segundo, foram produzidas a gravidade e outras forças que governam a física. Em menos de um minuto, o universo possuía 1,6 milhão de bilhões de diâmetro! Em 3 minutos, 98% de toda a matéria existente hoje ou que ainda surgirá foi criada.

Você pode imaginar a força e a beleza desta arte?

Isto ocorreu há 14 bilhões de anos. Passados 4,5 bilhões de anos, a Terra surgiu, e hoje nós todos estamos aqui graças à força da arte das mulheres, as fêmeas da aurora da vida. Sem a mulher não há futuro. A mulher é a fonte criativa de vida cuja fertilidade depende de respeito.

Veja a Terra, esta mulher que dá e mantém a vida para todos os seres que nela existem. Ela se notabilizou por agarrar qualquer atenção e cuidado e responder em abundância. A despeito de sua grande generosidade, nós temos deliberadamente investido em aniquilar sua vida. Cada instante algo é feito contra sua dignidade e identidade. Nosso desrespeito é tamanho e vem de tão longa data que agora ela começa a sinalizar que talvez não sobreviverá ilesa. Provavelmente, se nada mudar, ela sairá de cena muito antes do que gostaríamos de admitir. Nossa brutalidade é estúpida, porque ao sair de cena, a Terra levará consigo todo o resto inclusive nós! 

Você já pensou no legado que a Terra nos deixou até agora e do que ainda poderia nos deixar caso fosse respeitada? Das centenas de ensinamentos que ela nos legou, um deles talvez alcance o cerne da sua sabedoria: a Terra nos deixou registrado como, sob intenso desafio e abandono, nós podemos agarrar o mínimo gesto de compaixão e revigorar nossa força existencial e continuar servindo sem escolher a quem, com o vigor de nosso núcleo mais sagrado. Apenas numa frase vários ensinamentos podem ser extraídos: o compromisso com a cadência é maior do que com a decadência; desafios nos deixam mais fortes e determinados; a força para criar precisa de liberdade, sem aprisionamento em forma, gênero, cor. Em outras palavras, a força que cria é mantida no cerne de quem se transforma o tempo todo.

Como tudo teve sua origem numa explosão de intensidade cósmica e sem causa aparente, da mesma maneira nós, filhos deste universo, herdamos a mesma habilidade. O impulso para criar não precisa de substrato. Você pode, do nada, de seu desejo e de sua oração, explodir uma intensão e deixar no mundo sua marca, sua história e seu legado.

Wahe Guru, Sat Nam.

Belo Horizonte, 15 de dezembro de 2013.

Yogi Bhajan e o Ano Novo

In God’s love for you alone, life unfolds
Like a silken cone unwinds.
And we are all woven, one with God.
Strands of silk, Sacred and divine.
The drums of war are loud and clear,
But hope of peace is also near.
If the Word of God will lead the people
And compassion will flow with the beat of the heart,
The human race will find its essence.
Let us pray for love of peace.
Let us pray for love of truth.
Let us pray for everyone to pray
For the innocent in bondage
Miles and miles away.
Let us pray for the innocent victims.
Let us pray on the death of the innocents–
Those humans created in the image of God,
Tortured by men with earthly authority,
Actions so far away from morality.
In my prayer I wish you the wealth of peace
To make beautiful our tomorrow
Where human beings can live in love
Forever free from sorrow.

 

“No amor de Deus por ti, a vida desdobra-se
Como um cone de seda desembaraça.
E nós todos somos tecidos, um com Deus.
Filamentos de seda, Sagrados e Divinos.
Os tambores de Guerra soam alto e claro,
Mas, a esperança de paz também se aproxima.
Se a Palavra de Deus conduzir as pessoas
E a compaixão fluir com cada batida do coração,
Então a raça humana encontrará sua essência.
Vamos rezar por amor à paz.
Vamos rezar por amor à justiça.
Vamos rezar para que todos rezem
Pelos inocentes escravizados
Milhas e milhas distantes.
Vamos rezar pelas vítimas inocentes.
Vamos rezar pelas mortes dos inocentes
Aqueles seres humanos criados segundo a imagem de Deus,
Torturados por outros humanos com autoridade na terra,
Atos tão distantes da moralidade.
Em minha oração, eu desejo a vocês a riqueza da paz
Para fazer de seu amanhã algo belo
Onde seres humanos possam viver em amor
Para sempre livres da tristeza”.

 

Wahe Guru, Sat Nam.

Traduzido por SS Gurusangat Kaur Khalsa

Belo Horizonte, 10 de dezembro de 2013.

21 Estágios da Meditação

O curso 21 Estágios da Meditação foi criado por Yogi Bhajan para nos ajudar a aprofundar nossa experiência de meditação usando o Laya (som primal). O curso é dividido em 3 Jornadas oferecidas ao longo dos próximos anos. Este curso é pré-requisito para o futuro Programa de Formação Nível 3. O curso é oferecido para alunos e professores de Kundalini Yoga e não há pré-requisitos para fazê-lo.

smiling spiral

PRIMEIRA JORNADA:
Experimente e cristalize o self

O foco é desenvolver sua habilidade de tornar-se uma testemunha de todos os seus pensamentos e sentimentos, principalmente aqueles que te sequestram da meditação profunda, tais como aborrecimento, tédio, irritação e frustração. Após superar cada um deles, você atinge o núcleo interno denominado self, e nele cristaliza a compaixão. Esta primeira jornada termina com uma meditação de duas horas e meia (2h30).

Estágio 1: Aborrecimento
Estágio 2: Tédio
Estágio 3: Irritação
Estágio 4: Frustração
Estágio 5: Foco
Estágio 6: Absorção
Estágio 7: Experimente o ser
Local
Centro Guru Ram Das. Rua Ivon Magalhães Pinto, 511. São Bento. Belo Horizonte

Datas
15 e 16 de fevereiro de 2014; 1° e 2 de março de 2014

Investimento
R$ 340 – sócios Abaky
R$ 410 – não sócios

Vagas 35 pessoas

Professoras
Dra Gurusangat Kaur Khalsa – BH
KRI Lead Trainer e coordenadora geral da Abaky. Doutora pela Universidade de Berlim

Subagh Kaur Khalsa – SP
KRI Lead Trainer e coordenadora da 3HO São Paulo.

Inscrições: Faça o depósito na conta da Abaky e nos envie o comprovante com seu nome ou faça o pagamento diretamente na secretaria da Abaky

Dados Bancários
Banco Santander (033)
Agência: 3477
Conta: 13000557-6
CNPJ: 07129055/0001-45
email: secretaria@abaky.org.br

estagios

Gurudakshina 2013

“Gurudakshina é um caminho para a prosperidade, é o poder de autossuficiência e de confiança de cada molécula de seu ser. Gurudakshina não só é muito, muito espiritual, mas se assemelha  a Deus no ato de doar. Embora Deus nos dê tudo, quando nós damos um valor em Seu Nome quem recebe é nosso Ser Superior e isto é conhecido por Gurudakshina. Este dinheiro não pertence a uma pessoa, pertence a um professor verdadeiro. Este é o kriya que faz de um professor o Professor.”

Yogi Bhajan, 20 de julho de 1998

YOGA_BHAJAN

Seu Gurudakshina em ação

Sua contribuição ajuda a preservar e promover os Ensinamentos do Yogi Bhajan.
Obrigada por sua dedicação e generosidade em doar seu Gurudakshina!

Gurudakshina é uma lei no Kundalini Yoga ensinada pelo Yogi Bhajan®. Gurudakshina oferece a oportunidade para o professor conscientemente doar de volta à fonte dos Ensinamentos.

Gurudakshina é o reconhecimento de que o que recebemos com nosso trabalho veio das Mãos do Divino e, em gratidão pela oportunidade de servir como um canal, nós doamos 11% do que recebemos de nossos alunos.

Nós somos os guardiões destes Ensinamentos e precisamos assegurar que eles estejam protegidos e seguros para as futuras gerações. Gurudakshina permite esta segurança e pureza.

Podemos doar mensalmente ou ao final do ano com uma ação de graças pela oportunidade de ser professor desta Tradição e declarar que estamos abertos a receber tudo que o Universo nos reserve em troca.

O maior projeto se concretizou: A Biblioteca dos Ensinamentos do Yogi Bhajan

Instruções para depósito:
Deposite na conta da Abaky e nos envie o comprovante junta às seguintes informações; ou deixe o valor na secretaria com as informações anexadas.

Nome:
Cidade/Estado:
E-mail:
Telefone:

Dados para depósito:
ABAKY – Banco Santander (033) – agência: 3477 – conta: 13000557-6 – CNPJ: 07129055/0001-45

Eter na mente

por SS Gurusangat Kaur Khalsa

Eu era uma garota determinada e metida em muitas aventuras, me atirando de cabeça em todas elas. Um dia voltando do Conservatório, onde estudava piano desde os 6 anos de idade, senti algo muito ruim dentro do meu uniforme. Era um dia muito quente, minha cabeça doía um pouco, e eu tinha treino de vôlei no clube e estava atrasada. A voz da professora de solfejo martelava dentro da minha cabeça — “você vai ter que escolher: ou o piano ou o vôlei! Não existe pianista que jogue bola, ora!” .

A saia era verde de pregas até os joelhos, de tergal, claro. A camisa era de botões, gola alta e bolsinho perto do coração. Era também sintética, para não amarrotar. Não tinha gravatinha, não. Os sapatos eram pretos, da Vulcabrás, nome forte — eu amava aqueles sapatos pretos! Mas eles eram a única coisa que eu gostava naquele uniforme de ir ao Conservatório.

Atrasada, eu andava rápido e atormentada, com receio de perder meu treino e ter que aguentar vida afora as aulas no Conservatório. No caminho, uma pichação me prendeu. Estava pichado em um muro bem pintado a frase em preto: “eternamente, é ter na mente, éter na mente”. Eu fiquei ali parada, lendo e relendo, saboreando a fantasia do pichador e pensando no conteúdo dentro da minha mente naquele momento. Era só a ansiedade e o desconforto? Ou eu podia escolher ter na mente o éter? Eu achava que o éter devia ser muito bom… O que seria o éter? Eu não sabia, mas naquele momento decidi fazer uma escolha, e eu queria que minha mente ficasse livre, leve e totalmente feliz!

Eu nunca mais voltei ao conservatório desde aquele instante.

Passadas várias décadas, eu descobri com o Kundalini Yoga o que é ter éter na mente! Eu descobri também que, naquele dia, eu decidi ser eu mesma e cuidar da minha mente. Não sei porque eu fiz isso, mas isso não importa. O que importa, como diz meu professor Yoga Bhajan, é que eu agi!

“Entre nós, há mentes dispersas, mentes que estão tentando se focar, há mentes que têm medos, há mentes que são orientados para o sexo, existem outras que vieram apenas por curiosidade, há mentes que não entendem porque estão aqui e há mentes que estão muito felizes e contentes por estarem aqui . Há todos os tipos de mentes. Este mosaico de todos os tipos possíveis de mentes nos mostra todas as facetas da mente em seus diferentes estágios de desenvolvimento e consciência. Neste momento, eu não sei o quanto de lixo cada mente tem, e também não há razão alguma para querer saber. Mas há uma razão para agir.

Faça uma meditação que te purifique e te limpe. O fato simples de que você esteja aqui é suficiente para que você seja você. Você tem uma intenção, o que é suficiente. O próprio fato de que você tem a intenção de purificar-se e fazer a sua alma brilhar é motivo suficiente para a sua mente se concentrar. O próprio fato de você poder se concentrar lhe dará o poder para meditar, e o poder de uma atitude meditativa é samadhi em ação! A mesma energia necessária para se tornar divino pode ser usada para se tornar demoníaco. A mesma mente que adoece pode curar. Mente faz inúmeros trabalhos e sua atividade é ilimitada.

Nosso ponto de partida pode ser diferente, diferentes capacidades, diferentes problemas, diferentes esperanças e as diferentes qualidades da mente. Mas através da disciplina constante, o progresso é alcançado. As pessoas às vezes não entendem o que é a disciplina. Disciplina é a sua experiência da sua consciência, onde você se sente vivo. Essa é a maior de todas as experiências.”

 

Wahe Guru, Sat Nam.

 

Belo Horizonte, 4 de dezembro de 2013.

O yoga é

por Dharamjeet Singh

Ao contrário do que muitos pensam e falam comigo ao saberem que sou professor de Kundalini Yoga, yoga não é só se sentar, ficar parado e não pensar em nada. Eu, ao tentar explicar o que é yoga, acabo dizendo que há exercícios (Asanas), respirações (Pranayamas), posturas para as mãos (Mudras), meditações, mantras e que o objetivo principal é a experiência pessoal de cada um ao praticar. No entanto, isso pode soar confuso para alguém que nunca praticou. Por isso, resolvi compartilhar algumas das minhas experiências e aprendizados com a prática regular de Kundalini Yoga.

Quais seriam os aprendizados que as poses e as meditações nos proporcionam, se soubermos aproveitar a oportunidade que nos é dada?

Muitas vezes somos testados no nosso limite através da dor. Posturas difíceis de serem sustentadas. Minutos parecem virar horas. No entanto, continuamos firmes, porque sabemos que o resultado final é uma paz profunda, uma sensação de dever cumprido, de termos feito o nosso melhor, de podermos então esperar pela recompensa do bem-estar.

É um teste de resistência física contra a nossa própria mente. Aprendemos que a vida não é fácil e que não podemos simplesmente mudar para um lugar mais confortável, quando uma dor surge, pois, após poucos segundos, uma nova dor aparece, às vezes pior do que a anterior. O melhor que podemos fazer é simplesmente aprender a aceitar a dor, senti-la profundamente, escutar o que ela tem a nos dizer sobre o momento que estamos atravessando e agradecer a oportunidade de sermos testados com tamanha intensidade — tendo a certeza que logo após a dor, se a atravessarmos com dignidade, receberemos a recompensa. Sairemos com maior calibre, mais seguros de nós mesmos e prontos para outros testes e desafios, que sempre existirão.

Ao permanecermos imóveis em uma posição, também aprendemos a sermos firmes como rochas e montanhas, e a não arredarmos o pé do que acreditamos ser o justo. Não importa o que aconteça do lado de fora, internamente, sustentamos nossa dignidade. Ouvimos tanto em silenciar a mente para meditar e, justamente na hora da yoga e da meditação, todos os pensamentos resolvem aparecer. “Buscar filhos, levar filhos; lista de compra; planos para o dia, semana, mês; como anda aquele amigo; o que eu faria com o dinheiro da loteria; quando serão as próximas férias; será que o professor esqueceu de mim nesta pose”, entre tantos outros pensamentos.

Não aprendemos a silenciar a mente no Kundalini Yoga, mas sim a percebermos os pensamentos, tomarmos consciência da qualidade deles, agradecê-los e deixá-los seguirem seus respectivos caminhos, sem nos prendermos a qualquer um deles. E, assim, chegamos a um estado de presença, e o silêncio aparece — Shunya.

As árvores possuem uma raíz firme no chão, mas possuem maleabilidade no tronco e nos galhos. O vento chega acariciando suas folhas, elas farfalham e as árvores se movem. Quando, então, o vento segue seu caminho, elas permanecem calmas, serenas e sem preocupações. Se as árvores não tivessem esta maleabilidade, tombariam no primeiro vento forte. E assim somos nós. Se fixarmos tamanha atenção aos pensamentos, nos prenderemos a eles e nos perderemos no caminho do encontro com nossa Divina Presença. Mas, se permitirmos, os pensamentos passarão como o vento e nos deixarão em completa união com nossa mais Alta Consciência.

Durante as aulas de Kundalini Yoga, esbarramos em conflitos internos e emoções mal-resolvidas que nos impedem de seguir nosso caminho livremente. Raiva, orgulho, medo, etc. Nosso lado instintivo e animal. São registros de uma época quando sofremos abusos e traumas. Registros que ainda operam como uma barreira de segurança ao nosso redor. Embora a natureza livre da nossa alma queira que nos libertemos desta prisão, muitas vezes não gostamos e nem queremos olhar para este aspecto nosso. São nossas sombras, que podem nos confrontar por toda a vida, se não tomarmos consciência delas, abraçá-las, resolvê-las e devolvê-las ao Infinito.

E como num passe de mágica, sem necessariamente tomarmos consciência do que estava travando nossa vida, vamos liberando nossas dores, nossos medos e dúvidas, simplesmente com nossa disciplina, mantendo uma prática regular de Kundalini Yoga e uma sadhana diária. Vamos ficando mais leves, mais presentes, mais conscientes, mais compassivos e compreensivos.

Começamos a nos desconectar aos poucos de nossos apegos, falsas verdades, muletas, e nos conectamos com nosso verdadeiro lado humano, intuitivo. Abrimos espaço para o desconhecido. Reconhecemos conscientemente que Deus (Sagrado, Sat Nam, Divina Presença, o nome que você der à Força que Cria) vive dentro de nós, e vive igualmente em todas as coisas: rochas, plantas, animais, TODOS os seres humanos (independente do nosso julgamento) planetas, galáxias, e toda Sua Criação. E esta união com tudo e com todos é o Yoga.

A prática de exercícios físicos e meditações são ferramentas simples e eficazes que servem para nos tirar do lugar de conforto e nos trazer a experiência máxima desta união com o Todo. Mas sim… Começa se sentando, não se movendo, tentando manter a mente em silêncio, o resto da sua experiência está em suas mãos.

Sat Nam Wahe Guru

Belo Horizonte, 04 de dezembro de 2013.

Abaky convida para Akandh Paath

Wahe Guru Ji Ka Khalsa,
Wahe Guru Ji Ki Fateh!
O final de ano se aproxima e com ele nós nos preparamos para 2014 fazendo o Akandh Paath.
Este é um momento em que nós nos unificamos além das barreiras do tempo e espaço na frequência sagrada e atemporal do Shabd Guru.

Nanak nam chardi kala, tere bani sarbat da bala
Que o Nome nos exalte ao espírito, e através dele todos os seres prosperem

unnamed
Programação:

Leitura: de 28/12 (sábado, a partir das 21h) a 31/12 (segunda-feira, às 21h)

Kirtan especial para finalização da leitura – início 31/12, às 20h (participação especial de vários músicos)

Bog – cerimônia de finalização do AkhandPaath – e encerramento do Gurdwara com Langar especial de Ano Novo: 31/12, às 23h

Local: ABAKY (Rua Ivon Magalhães Pinto, 511 São Bento – BH/MG

Agendamento e informações: secretaria ABAKY
(funcionamento de segunda a sexta, das 13h às 18h)
31-3297 5508 // secretaria@abaky.org.br