A melhor escolha

por SS Gurusangat Kaur Khalsa

Eu nunca me cansarei do meu trabalho como professora do Kundalini Yoga. Como cientista de carreira, esta Tradição me oferece todos os meios para investigar um dilema, um problema ou um empasse sob seus vários ângulos psíquicos, físicos e espirituais. Os mapas do Kundalini Yoga foram emprestados do Sikh Dharma, e isso é ainda mais envolvente e espetacular – sobremaneira, o fato dessa cartografia do século XV ser ainda tão atual e servir para, inclusive, perscrutar e planejar o futuro ainda muito distante.

A educação, sem dúvida o elemento mais fundamental para nossa sociedade se erguer da desesperança e caos social, é um desses muito bem traçados mapas. Guru Nanak expressa a importância que dá ao professor: “Se centenas de luas no céu despontassem e milhares de sóis aparecessem, mesmo com tamanha luz haveria apenas breu sem a presença do Professor (SGGS p. 463). Qual seria a razão desse reforçado enaltecimento ao professor e ao seu papel educador? A resposta é simplesmente fenomenal.

Venha comigo entender a figura abaixo. Ela explica muito bem do ponto de vista da neurologia algo que é para o Kundalini Yoga o pilar do nosso trabalho.

 

 

Screen Shot 2014-11-12 at 9.49.31 PM

Os seis primeiros anos de vida, a contar da gestação, são fundamentais para a formação de uma identidade livre, soberana e criativa. A criança nestes primeiros anos sofre absoluta influência do meio porque seu cérebro, como uma esponja, absorve e registra todas as experiências tanto na família quanto fora dela, sem nenhum filtro. Neste período, criamos um sistema de defesa subconsciente, um programa muito poderoso, que ficará ativo pelo resto de nossas vidas guiando a maneira que respondemos aos desafios e o modo que processamos emocionalmente a vida.

Da gestação até os 2 anos, o cérebro da criança funciona apenas com a onda do subconsciente, ou seja, ele registra tudo de modo passivo. Dos dois anos até os seis anos, ela acrescenta à absorção subconsciente, a imaginação. A atividade de uma onda que permite uma consciência primária acontece apenas a partir dos seis anos, e a consciência só surge a partir dos 12 anos.

Isto revela algo muito importante: todo ser humano cria seu programa básico subconsciente nos seis primeiros anos de vida e se quisermos ajuda-la a criar uma identidade forte que não se sustente sobre pilares do medo, complexos de inferioridade e insegurança, precisamos investir na educação que saiba o que fazer neste período fértil.

Educar a família sobre a questão é também um desafio que esta escola não deveria se negar. Trabalhar com a criança nestes primeiros anos fará com que ela na vida adulta não tenha que se apresentar ao mundo de modo violento, ou em fuga de si mesmo, por não ter aprendido a apreciar sua origem e, principalmente, não ter aprendido a se fortalecer em sua essência com valores nobres e éticos que a acompanharão vida afora.

A Escola que precisamos nesta fase não é aquela que oferece apenas momentos lúdicos e entretenimento, mas aquela que entende profundamente a mente, a psique e o modo de utilizar métodos para auxiliar na educação destes futuros adultos.

A Escola Miri Piri Brasil utiliza precisamente recursos pedagógicos para cumprir esta tarefa com excelência. Além da metodologia clássica cognitiva, a utilização da Arte Marcial, do Kundalini Yoga, da Humanologia, da Música e das Artes fazem do programa educacional desta Escola algo espetacular para lidar efetivamente com a criança e a formação de sua identidade.

Miri Piri utiliza os mapas da cartografia da consciência traçados por clássicos mestres para educar a criança e ajudá-la a se tornar um Ser Humano completo, livre, criativo e soberano.

 

Wahe Guru.

Belo Horizonte, 12 de novembro de 2014.

 

Discurso da nova turma de professores 2013-2014

Nós, formandos dessa turma de professores de Kundalini Yoga, nesse ano de 2014, em pleno alvorecer da Era de Aquário, queremos iniciar expressando nossa profunda e eterna gratidão, nossa maior reverência e devoção:

1. Ao Guru Nanak, por tudo e por tanto, e pela virtude da humildade

2. Ao Guru Angad, pela obediência

3. Ao Guru Amar Das, pela virtude da igualdade

4. Ao Guru Ram Das, por nos orientar para o serviço

5. Ao Guru Arjan, por nos dar força para o auto-sacrifício

6. Ao Guru Hargobind, pela virtude da justiça

7. Ao Guru Har Rai, pela virtude da misericórdia

8. Ao Guru Har Krishnan, pela virtude da pureza

9. Ao Guru Teg Bahadur, pela calma e pela sutileza

10. Ao Guru Gobind Singh, pela realeza da coragem

11. E ao Siri Guru Granth Sahib, agradecemos pela Verdade

 

Nosso agradecimento especial à Querida Gurusangat, pela honra de nos conceder acesso a todo um tesouro de sabedoria. É uma benção infinita – vinda pelas suas mãos e através de sua inspiração e a dedicação de toda sua vida, aqui nas Minas Gerais, nessa terra que, como diz o poeta, é “onde o mistério do oculto se escondeu” – que nós possamos conhecer as maravilhas da tradição do Kundalini Yoga e a nobreza dessa Corte. Seu Dharma é um sol para todos nós, Gurusangat, e um testemunho vivo de Graça Radical.

Nossa infinita gratidão a cada um daqueles que são e sempre serão nossos Professores de Kundalini Yoga, e que foram nossa inspiração primeira, pois que tocaram nossas vidas de um modo definitivo. Pela força e dignidade de seu exemplo, nos lançaram em busca da fonte dessa mesma luz, dessa mesma sabedoria e nos motivaram à busca da Verdade que, com admiração e reverência, vemos tão clara e radiantemente em vocês.

Aos nossos professores desse curso de formação: Satya Amrit, Satjeet, Sat Kartar, Amrit Dev, Kirn Jot e Siri Sahib,

Que os caminhos de cada um de nós, dessa turma, honrem o legado que vocês nos transmitiram.

Que nossas vidas sejam um modo de expressar a gratidão eterna e ilimitada por todo o serviço, pelo exemplo de compromisso, caráter, calibre, graciosidade e excelência. E agradecemos por todo o generoso amparo e pela vastidão do amor de vocês.

Agradecemos com imenso carinho a todos os nossos convidados aqui presentes, pessoas que são tão “especialmente especiais” em nossas vidas. E agradecemos a todos os nossos familiares, amigos, colegas de trabalho ou estudo, vizinhos. Agradecemos, enfim, a todos os seres humanos e a todos os demais seres que conosco compartilham a aventura de habitar esse tempo, esse espaço, esse cosmos.

 

Para nós formandos – Irmãos e Irmãs em Destino –, esse exato instante é um momento infinito. Aqui, nesse presente, unem-se o portal do finito que nos trouxe até aqui e o portal do infinito, e desconhecido, que abre-se diante de nós.

Em nossas trajetórias passadas, tão únicas e singulares, cada um de nós guarda as lições e uma memória íntima dos quantos escuros e desertos enfrentamos, e sabemos, cada um de nós, dos abismos aos quais descemos – para então retornar.

Retornar não como sobreviventes, mas como Guerreiros, profundamente transformados e portadores de uma nova claridade. Não nos tornamos imunes ao medo, à solidão, à tristeza, à dúvida… Mas conhecemos os recursos para embarcar na carruagem divina que nos eleva.

Ganhando altitude, poderemos sempre recuperar força para assumirmos os desafios, que sempre existirão. E com nosso ampliado espírito de serviço e compromisso, haveremos de abraçar cada desafio com coragem e graça.

Conscientes da transitoriedade desse mundo, nos inclinamos a dedicar nossas vidas ao Nam (Totalidade), Dan (Caridade), Snam (Pureza de conduta), Seva (Serviço) e Simran (Meditação sobre Deus).

Foi dito que “se você toma um passo em direção ao Guru, então o Guru tomará milhares de passos na sua direção”.

A cerimônia de hoje, portanto, é celebração de um encontro. Não um encontro que encerra ou finaliza uma caminhada. Não. Esse encontro, celebrado aqui hoje, reinaugura nossa jornada na trilha da corrente dourada. E sabemos que temos diante de nós uma construção contínua que é, sim, feita de disciplina, de entrega, de serviço, oração e amor.

Não conhecemos o caminho adiante. Mas aprendemos a caminhar e não tememos o desconhecido. E até aqui, estamos juntos e irmanados. Irmãos e Irmãs, quantos serão os véus do mistério que nos fez encontrarmo-nos aqui, na senda desse conhecimento? Possivelmente, nosso convívio já vem de longe e de antes, lá do berço do infinito, quando éramos todos poeira de estrelas.

Que nossas vidas rendam tributo à beleza e à força de cada momento que partilhamos ao longo do curso de formação. Que possamos sempre viver no amor que nos uniu nessa Sangat. Que possamos prosseguir juntos, comprometendo até a medula de cada um dos nossos dez corpos, para assumir a responsabilidade com nosso destino.

Que sigamos nos apoiando e aprendendo juntos – na alegria e na tristeza – mas sempre na radiância! Que possamos, tanto mais e sempre, render nossas cabeças e realizar o Guru dentro de nós e, assim, iluminar o caminho para a heróica travessia daqueles que, com nosso apoio, encontrarão o Guru em si mesmos.

Finalmente, que possamos tornar genuinamente nossas, as palavras de Guru Nanak e, então, dizer:

“Eu pertenço à seita do caminho certo. Minha casta é aquela de fogo e vento. Eu vivo como as árvores e a terra porque como elas, eu resisto a ser cortado ou drenado. Como um rio, eu não ligo se em mim são jogados flores ou pó. Como a madeira de sândalo, eu considero que o viver, em si, é uma fragrância”.

Waheguru Ji Ka Khalsa, Waheguru Ji Ki Fateh

Turma de Formandos – Professores de Kundaliny Yoga

Belo Horizonte, Minas Gerais – 01/06/2014

A nudez de um professor

por Dev Atma Singh

Yogi Bhajan nos deixou instruções muito pragmáticas sobre como deve agir um professor de Kundalini Yoga. Este professor ensina pelo exemplo, pois nessa tradição o que importa é o compromisso com o Nam, uma realidade que só descobrimos mergulhando em nossa realidade interior: trata-se da identidade que nos é dada por Deus ou pelo infinito.

Se o professor ensina pelo exemplo, ser um professor de Kundalini Yoga é indissociável da experiência pessoal e intransferível de cada um em seu caminho. Lemos que o professor serve para ensinar a uma pessoa todas as facetas e os aspectos da vida (“A pureza e o poder do professor”, The Master’s Touch) — que pessoa é esta? É primeiramente aquele que se compromete a praticar dentro de si a sua consciência mais elevada, o seu guru; é aquele que se permite imaginar, visualizar, acreditar, expandir em todas as direções, conectar-se com tudo, enfim, inspirar-se amplamente na corrente sonora de Ang Sang Wahe Guru: “Eu pertenço a Deus com cada membro e com cada parte de mim.”

Lemos também que o professor serve para ensinar alguém a conquistar o estado mental no constrangimento e na confrontação. Ao mesmo tempo que cada membro do meu corpo ou ação do meu ser estão pulsando na consciência universal, comprometer-se com uma consciência mais elevada não se restringe às minhas opiniões pessoais ou à voz do eu. Os processos do eu deixam de ter valor. As experiências de união com o todo que o Yoga nos dá não reservam somente o êxtase e as canções celestiais, mas colocam-nos diante de nossas sombras, convidando-nos à mudança, que nem sempre é confortável.

O professor de Kundalini Yoga sabe que os processos de mudança se dão de forma gradual. Conquistar sabedoria não é de uma hora pra outra. Por isso a compaixão é uma plataforma fundamental para todas as práticas dessa tradição. O professor está sempre pronto a perdoar. Aí entram os percalços de seu próprio caminho: não se tem compaixão por ninguém se não se aprende a ter compaixão por si mesmo. O professor é uma experiência viva. Ele mesmo é uma documentação dos ensinamentos. Ele não é um pregador ou um filósofo.

Chardi Kala é o ajardinamento do professor: espírito elevado, conectado com tudo, deixando passar os turbilhões emocionais. Pronto para agir, pronto para escutar, pronto para servir. Yogi Bhajan nos ensina que toda mulher e todo homem têm o potencial de atingir um estado divino de amor a tudo e a todos. O aluno é um professor de amanhã. Aquele que ensina deve se esforçar para fazê-lo dez vezes mais forte do que aqueles que vieram antes.

O poder que atingimos com essa prática não é sobre prestígio social e olhares de aprovação. O professor de Kundalini Yoga serve em uniforme, “uma forma”, porque ele existe para oferecer o vácuo aos alunos. Ele existe para permitir que todas as coisas se recriem. Quanto mais o professor cresce em sua prática, mais ele deve aprender a servir. Só aqueles que sabem se curvar consideram a excelência.

Por isso o professor relaciona-se com o Nam das pessoas, não com o ego ou com a política. O sucesso do professor não está no que ele sabe ou no que ele diz, mas no que o aluno recebe. O professor existe para elevar aqueles que chegam: crescimento, dignidade e excelência do aluno medem o professor, que treina para ser um receptáculo daquilo que não é nem mulher, nem homem, nem humano, nem eu: a energia criadora e criativa, única e uma através das eras.

Gurudakshina 2013

“Gurudakshina é um caminho para a prosperidade, é o poder de autossuficiência e de confiança de cada molécula de seu ser. Gurudakshina não só é muito, muito espiritual, mas se assemelha  a Deus no ato de doar. Embora Deus nos dê tudo, quando nós damos um valor em Seu Nome quem recebe é nosso Ser Superior e isto é conhecido por Gurudakshina. Este dinheiro não pertence a uma pessoa, pertence a um professor verdadeiro. Este é o kriya que faz de um professor o Professor.”

Yogi Bhajan, 20 de julho de 1998

YOGA_BHAJAN

Seu Gurudakshina em ação

Sua contribuição ajuda a preservar e promover os Ensinamentos do Yogi Bhajan.
Obrigada por sua dedicação e generosidade em doar seu Gurudakshina!

Gurudakshina é uma lei no Kundalini Yoga ensinada pelo Yogi Bhajan®. Gurudakshina oferece a oportunidade para o professor conscientemente doar de volta à fonte dos Ensinamentos.

Gurudakshina é o reconhecimento de que o que recebemos com nosso trabalho veio das Mãos do Divino e, em gratidão pela oportunidade de servir como um canal, nós doamos 11% do que recebemos de nossos alunos.

Nós somos os guardiões destes Ensinamentos e precisamos assegurar que eles estejam protegidos e seguros para as futuras gerações. Gurudakshina permite esta segurança e pureza.

Podemos doar mensalmente ou ao final do ano com uma ação de graças pela oportunidade de ser professor desta Tradição e declarar que estamos abertos a receber tudo que o Universo nos reserve em troca.

O maior projeto se concretizou: A Biblioteca dos Ensinamentos do Yogi Bhajan

Instruções para depósito:
Deposite na conta da Abaky e nos envie o comprovante junta às seguintes informações; ou deixe o valor na secretaria com as informações anexadas.

Nome:
Cidade/Estado:
E-mail:
Telefone:

Dados para depósito:
ABAKY – Banco Santander (033) – agência: 3477 – conta: 13000557-6 – CNPJ: 07129055/0001-45

Luz total

Por Guru Sangat Kaur Khalsa

Jai as-o chandaa ogaveh sooraj chareh hazaar
Aitai chaanan hodiaa, gur bin ghor andhaar (Guru Nanak, SGG, p. 463)

Se centenas de luas despontassem e milhares de sois aparecessem,
Mesmo com tamanha luz, haveria escuridão total sem a presença do Guru.

O professor é essencial porque ele é uma força motriz para o amadurecimento espiritual. O professor não é uma instituição que recolhe dinheiro dos outros e ensina truques espertos e atalhos sinuosos. O professor não é aquele que informa e entretém. Tão pouco é um intelectual, cheio de vícios, mal-arrumado, desengonçado e sem cuidados consigo mesmo. Alguns imaginam o professor como um clone que recita ensinamentos fundamentais e que pode passá-los aos outros.

Muitos se enganam e muito se engana sobre o professor.

O professor não é uma pessoa que ensina, tão pouco é alguém que sabe os ensinamentos. O professor é alguém que, ao viver os ensinamentos, nos ajuda a estabelecer objetivos e plataformas assim como a organizar nossas gunas, nossa matéria fundamental, para que possamos alcançar nosso destino. Sozinho a jornada torna-se longa e dolorosa porque a mente imatura se inebria com paixões e se joga, impulsivamente, atrás de prazeres fáceis e expande a dúvida quanto ao desconhecido.

O jogo das emoções cria traumas e dramas que confundem e dificultam a realização existencial. Muitos passam pela vida sem sequer notar a mediocridade de suas condições, outros percebem tudo em lampejos, mas logo se vestem de desculpas para acalmar suas mentes inseguras e frustradas, evitando encarar a realidade.

Mas há aqueles que encontram ajuda nas palavras e nos exemplos de mestres singulares, o que resulta numa libertação verdadeira.  Nestes momentos, a mente, ainda que por alguns instantes apenas, se devassa com o amor do professor e se expande rompendo as barreiras habituais de segurança e conforto, alcançando uma nova condição em um novo território.

Ser professor é um sacrifício e também uma glória. Deus usa da língua e do coração de um professor para incidir a luz sobre a realidade, delineando seu contorno, seu sulco, sua profundeza e qualidade. É glorioso contemplar alguém que você serve tornar-se uma pessoa requintada e diferenciada, que busca qualidade na diversão, nos amigos, no amor. É maravilhoso ver o universo desaguar riquezas e bênçãos sobre esta pessoa. O sacrifício deste ofício reside no fato de se ter que conviver com a ignorância e, conseqüentemente, a dor daqueles que sucumbem ao escárnio da mente polarizada, que ascendeu ao intelecto, mas não à inteligência, e se afastou do espírito por medo daquele nada. Esta pessoa perde a elegância e a excelência, se contenta com o comum – gosto pobre, prazer pobre, relacionamentos pobres, e torna-se refém do hedonismo, ora divertida ora superficial e, muitas vezes, mesquinha.

O professor não é um super-herói, super-humano. Ele é um ser que guarda em si virtudes e fraquezas e corre o mesmo risco de qualquer outra pessoa. Porém, sua mente neutra é automática, garantindo o controle de seus impulsos. A expansão da sua consciência o ajuda a usar a força de suas emoções para inspirar e elevar. O professor precisa estar vigilante, pois o risco da mediocridade é grande demais para ser menosprezado. A força da imbecilidade só não é maior do que a força da consciência.

Um professor de verdade te sacode e te desperta através de olhares, de conversas, de intenções, de preces, de confronto, de dureza, de demandas, de sorrisos, de amor. O professor é luz total!

O professor te ampara para que você experimente tudo que quiser precisar, te abre para conhecer a si próprio, te auxilia no reconhecimento de suas fronteiras, e esta lá ao seu lado para te inspirar a estendê-las ainda mais. Ele é um Ser Humano que alcançou a maestria em medir a distância entre você e o seu destino.

Professores são sofisticados, eles não se satisfazem facilmente. Ele te serve do melhor e espera ver na sua face o brilho de quem prosperou e, no seu coração, o conforto de quem encontrou segurança.

Sua oração é que você siga uma vida digna e seja generoso. Ninguém prospera sem dignidade e generosidade. Ele também reza para que você evite a todo custo o lugar comum, pois nele reside o que há de mais mortífero para a criatividade humana.

Seu alerta é: o desafio da sua boa vida está em diferenciá-la da vida boa de muitos. Viva bem, cuide bem de quem te buscar em dor e confusão e seja feliz sendo você!

Wahe Guru, Sat Nam.

* Texto escrito em 26 de junho de 2004

O Professor de Kundalini Yoga

Por Guru Sangat Kaur

O professor é essencial porque ele é uma força motriz para o despertar da consciência. O professor não é uma instituição que recolhe dinheiro dos outros e ensina truques espertos e atalhos sinuosos. O professor não é aquele que informa e entretém. Tão pouco é um bobo intelectual, cheio de vícios, mal arrumado, desengonçado e sem cuidados consigo mesmo.

Alguns imaginam o professor como um clone que recita ensinamentos fundamentais e que pode passa-los aos outros como um mestre de fato.

Muitos se enganam e muito se engana sobre o professor.

O professor não é uma pessoa que ensina, tão pouco é alguém que sabe os ensinamentos. O professor é alguém que, através dos ensinamentos e de sua própria projeção, nos ajuda a estabelecer objetivos, plataformas e a organizar nossas gunas. Sozinho a jornada torna-se longa e dolorosa porque a mente imatura se inebria com paixões e se joga impulsivamente atrás de prazeres fáceis.

O jogo das emoções cria traumas e dramas que confundem e dificultam a vida das pessoas. Muitos passam pela vida sem sequer notar a pobreza de sua condição, outros percebem tudo em lampejos, mas logo usam de desculpas para acalmar suas mentes inseguras e frustradas, evitando a realidade. Alguns encontram ajuda nas palavras e nos exemplos de mestres singulares, o que resulta numa libertação verdadeira. Nestes momentos a mente, ainda que por alguns instantes apenas, se devassa com o amor do professor e se expande rompendo as barreiras habituais, alcançando uma nova condição num novo território.

Ser professor é um sacrifício e também uma glória. Deus usa da língua e do coração de um professor para incidir a luz sobre a realidade, delineando seu contorno, seu sulco, sua profundeza e qualidade. A gloria deste serviço nobre encontra-se no dar a luz a novas condições e possibilitar a experiência, sem a qual ninguém acessa a sua verdadeira identidade. É glorioso contemplar alguém que você serve tornar-se uma pessoa requintada e diferenciada, que busca qualidade na diversão, nos amigos, no amor. É maravilhoso ver o universo desaguar riquezas e bênçãos para este Ser. O sacrifício deste oficio reside no fato de se ter que conviver com a ignorância e, conseqüentemente, a dor daqueles que sucumbem ao escárnio da mente polarizada, que ascendeu ao intelecto e afastou o espírito. Esta pessoa perde a elegância e a excelência, se contenta com o mediano – gosto, prazer, relacionamentos e advoga a passionalidade, torna-se compulsiva e hedonista, ora divertida ora superficial e muitas vezes, mesquinha.

O professor não é um super herói, super humano. Ele é um ser que guarda em si virtudes e fraquezas e corre o mesmo risco. Porém, sua mente neutra é automática, garantindo o controle de seus impulsos animais. A expansão da sua consciência o ajuda a usar a força de suas emoções para inspirar e elevar. Ele precisa estar vigilante, pois o risco da mediocridade e’ grande demais para ser menosprezado. A força da imbecilidade só não é maior do que a força da consciência. Um professor de verdade te sacode e te desperta através de olhares, de conversas, de intenções, de preces, de confronto, de dureza, de demandas, de sorrisos, de amor. O professor é luz. O Professor é Guru.

Jai as-o chandaa ogaveh sooraj chareh hazaar
Aitai chaanan hodiaa, gur bin ghor andhaar (Guru Nanak, SGG, p. 463)
Se centenas de luas despontassem e milhares de sois aparecessem,
Mesmo com tamanha luz, haveria escuridão total sem o Guru.

O professor te leva a experimentar tudo, te abre para conhecer a si próprio, te auxilia no reconhecimento de suas fronteiras, e esta lá ao seu lado para te inspirar a estende-las ainda mais. Ele e’ um Ser Humano que alcançou a maestria em medir a distancia entre você e sua consciência.

Professores são sofisticados, eles não se satisfazem facilmente. Ele te serve do melhor e espera ver na sua face o brilho de quem prosperou e no seu coração, o conforto de quem encontrou o amor e a segurança.

Que você siga uma vida digna e seja generoso. Ninguém prospera sem dignidade e generosidade. Evite a todo custo o lugar comum, pois nele mora o que há de mais mortífero para a criatividade. Fique alerta, pois o desafio da sua boa vida está em diferenciá-la da vida boa de muitos. Viva bem, cuide bem de quem te buscar em dor e confusão.

Sat Nam.