Eter na mente

por SS Gurusangat Kaur Khalsa

Eu era uma garota determinada e metida em muitas aventuras, me atirando de cabeça em todas elas. Um dia voltando do Conservatório, onde estudava piano desde os 6 anos de idade, senti algo muito ruim dentro do meu uniforme. Era um dia muito quente, minha cabeça doía um pouco, e eu tinha treino de vôlei no clube e estava atrasada. A voz da professora de solfejo martelava dentro da minha cabeça — “você vai ter que escolher: ou o piano ou o vôlei! Não existe pianista que jogue bola, ora!” .

A saia era verde de pregas até os joelhos, de tergal, claro. A camisa era de botões, gola alta e bolsinho perto do coração. Era também sintética, para não amarrotar. Não tinha gravatinha, não. Os sapatos eram pretos, da Vulcabrás, nome forte — eu amava aqueles sapatos pretos! Mas eles eram a única coisa que eu gostava naquele uniforme de ir ao Conservatório.

Atrasada, eu andava rápido e atormentada, com receio de perder meu treino e ter que aguentar vida afora as aulas no Conservatório. No caminho, uma pichação me prendeu. Estava pichado em um muro bem pintado a frase em preto: “eternamente, é ter na mente, éter na mente”. Eu fiquei ali parada, lendo e relendo, saboreando a fantasia do pichador e pensando no conteúdo dentro da minha mente naquele momento. Era só a ansiedade e o desconforto? Ou eu podia escolher ter na mente o éter? Eu achava que o éter devia ser muito bom… O que seria o éter? Eu não sabia, mas naquele momento decidi fazer uma escolha, e eu queria que minha mente ficasse livre, leve e totalmente feliz!

Eu nunca mais voltei ao conservatório desde aquele instante.

Passadas várias décadas, eu descobri com o Kundalini Yoga o que é ter éter na mente! Eu descobri também que, naquele dia, eu decidi ser eu mesma e cuidar da minha mente. Não sei porque eu fiz isso, mas isso não importa. O que importa, como diz meu professor Yoga Bhajan, é que eu agi!

“Entre nós, há mentes dispersas, mentes que estão tentando se focar, há mentes que têm medos, há mentes que são orientados para o sexo, existem outras que vieram apenas por curiosidade, há mentes que não entendem porque estão aqui e há mentes que estão muito felizes e contentes por estarem aqui . Há todos os tipos de mentes. Este mosaico de todos os tipos possíveis de mentes nos mostra todas as facetas da mente em seus diferentes estágios de desenvolvimento e consciência. Neste momento, eu não sei o quanto de lixo cada mente tem, e também não há razão alguma para querer saber. Mas há uma razão para agir.

Faça uma meditação que te purifique e te limpe. O fato simples de que você esteja aqui é suficiente para que você seja você. Você tem uma intenção, o que é suficiente. O próprio fato de que você tem a intenção de purificar-se e fazer a sua alma brilhar é motivo suficiente para a sua mente se concentrar. O próprio fato de você poder se concentrar lhe dará o poder para meditar, e o poder de uma atitude meditativa é samadhi em ação! A mesma energia necessária para se tornar divino pode ser usada para se tornar demoníaco. A mesma mente que adoece pode curar. Mente faz inúmeros trabalhos e sua atividade é ilimitada.

Nosso ponto de partida pode ser diferente, diferentes capacidades, diferentes problemas, diferentes esperanças e as diferentes qualidades da mente. Mas através da disciplina constante, o progresso é alcançado. As pessoas às vezes não entendem o que é a disciplina. Disciplina é a sua experiência da sua consciência, onde você se sente vivo. Essa é a maior de todas as experiências.”

 

Wahe Guru, Sat Nam.

 

Belo Horizonte, 4 de dezembro de 2013.

Sexualidade e espiritualidade

por Guru Sangat Kaur Khalsa

“Espiritualidade não é apenas a porta para o templo;

mas é o aprender a viver dentro do templo” I Coríntios, 3:16-17

Yogi Bhajan define espiritualidade de uma forma simples e, ao mesmo tempo, inconvencional. De alguma maneira, sua mensagem contém a luz de uma verdade radical. Na minha experiência como professora, sua abordagem faz toda a diferença no compartilhar de seus Ensinamentos, uma vez que as pessoas são atraídas por aquilo que é natural e de fácil compreensão, o que não significa, de modo algum, algo fácil de se incorporar. Para isso, o importante é a educação que vem com a experiência.

O que seria de fato espiritualidade segundo seus Ensinamentos? Nada mais nada menos do que uma jornada inacreditável pelo território do nosso ser habitual, também chamado de ser oculto, em direção ao nosso ser real. Essa ideia se traduz de modo simples na seguinte fórmula: “eu em mim, para mim, dentro de mim, por mim”.

Para sermos capazes de conhecermos e experimentarmos nossa mais verdadeira e profunda identidade, uma jornada de aventuras precisa ser empreendida. Sair de um lugar convencionalmente reconhecido rumo ao cerne de nossa identidade verdadeira requer coragem e vontade. Esse lugar, essencialmente original, fica muito além de qualquer tipo de determinações, sejam elas biológicas, pessoais ou culturais, como gênero, por exemplo.

Nascemos em corpos femininos e masculinos. Quanto a isso, não há dúvida. E continuaremos a depender desta qualificação biológica, que regionaliza nossos territórios, porquanto perdurar o poder de nossos sexos em nos definir. Entretanto, com o tempo, tudo isso se desloca e nossa identidade sexual dá lugar a uma identidade muito mais universal em sua natureza.

Esse deslocamento acontece com o envelhecimento, no qual as diferenças entre homens e mulheres tendem a desvanecer, ou acontece quando buscamos conscientemente o território vasto de nossa identidade espiritual, a alma.

Não há nenhuma surpresa no fato de que a busca pelo amadurecimento espiritual requer a rendição da mente e do corpo ao domínio da alma, que, intrinsecamente, está além de determinações de gênero, já que é parte da Consciência Infinita. Em outras palavras, o preço pela viagem para dentro de si — feita por você, em seu território e tendo você como companhia — é a abertura para uma visão de si e do mundo muito vasta e despida de preconceitos.

Quando alcançamos nosso Ser Real, não mais precisamos reafirmar nossa identidade apenas com base em nossos gêneros. No espaço sagrado de nossa Verdadeira Identidade, não somos apenas nossa biologia, nem o que nossa mente nos fez crer que sejamos por sentir, desejar ou acreditar nas particularidades. Nós aceitamos tais particularidades e as entregamos no coração de nosso Ser Real, que, por ser parte da Grande Inteligência que governa cada uma das finitudes, as toma como parte integral de um todo, que agora se expressa pela vontade da nossa consciência.

Como Yogi Bhajan comumente dizia, você estará na sua Verdadeira Identidade quando não mais precisar das referências e cada vez se voltar para as reverências. Aqui, sua psique não mais precisa da orientação biológica, social e cultural. Ao contrário, você se torna um com a Jot (Luz Divina) e sua projeção vibra independentemente.

Neste ponto, você se encontra além, muito além das determinações sexuais e dos rótulos das condições finitas. O sexo ou sua sexualidade, ou mesmo sua educação, não mais definirão, de modo exclusivo, sua identidade.

Se Sat Nam (Realidade Verdadeira) torna-se um com Wahe Guru (caminho para luz) e se, desta unificação, Saibhang (iluminação) é adquirido, em termos práticos, gênero, cultura, sexualidade são apenas meios técnicos através dos quais damos a largada para tal jornada. No momento em que nos aproximamos do território da alma, cada vez mais eles se tornam secundários em nossas vidas. Caminhar para além das nossas habituações ou dos enquadramentos culturais é um bom começo para restaurar nosso direito de existir na Graça de Deus e na nossa Identidade Divina.

Ver o mundo através dos “olhos do Guru” nos força a aceitar homens e mulheres como puro sopro de Deus e, consequentemente, além de julgamentos morais. Gênero vai se desbotando na medida que nos afastamos da linha de largada e deixa de ser também uma vantagem ou desvantagem na nossa Maratona Divina na Terra.

Portanto, é correto dizer que gênero não é o visto de permanência nas terras de nossa espiritualidade. Ele é apenas o recurso preliminar necessário em direção daquele portal que nos permite entrar no reino soberano e livre de nossa consciência.

Nunca se ouviu de nenhum santo ou sábio que o gênero é o resultado de um plano divino para a encarnação humana, ou mesmo uma simples condição para a mesma. Gênero é apenas uma das muitas artes de Deus, moldada pela biologia e condicionada pelas emoções, que ajudam indivíduos a se moverem no mundo naqueles estágios inaugurais.

Nas terras de nossa espiritualidade, como dizia Yogi Bhajan, o individuo auto-iniciado pode ser conduzido pelas mãos do Guru (professor espiritual) apenas até à entrada; neste átrio somos nós que decidimos abrir ou não a porta. O teste da nossa espiritualidade requer que conquistemos aquele minúsculo hiato entre nosso ser habitual e nosso ser real, pois justo ali reside a liberdade de girar a maçaneta e entrar.

Sendo espiritualidade o resultado de uma jornada radical, em partir de sua periferia e aterrissar no seu núcleo Divino, homens e mulheres precisam superar o supérfluo e abraçar o campo de tensão disponível na união entre o Ser Real e o habitual. Neste encontro, vergonhas, inseguranças, culpas serão aceitas e realinhadas para que elas fomentem o espirito amoroso e compassivo da jornada.

A jornada deve ser sempre lembrada de uma maneira simples e pungente: Sua vida não é você. Você é sua vida!

Sat Nam Wahe Guru!

Belo Horizonte, 14 de agosto de 2013.